quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

Treinador gago

Por Valdir Appel

O mineiro Ademar era auxiliar técnico do treinador Paulinho Gonçalves, do Goiânia Esporte Clube e respondia pela orientação das equipes de base do clube alvi-negro.
Era extremamente competente no exercício das suas funções, e possuía um humor afiadíssimo.
Concentrava junto com os jogadores, que formavam rodinhas em torno dele para ouvir (deliciados!) as suas histórias, causos e piadas.
O fato de Ademar não gaguejar nestas ocasiões, intrigava a boleirada.
Até então só conheciamos gagos que não gaguejam ao cantar.
No dia-a-dia, tinha as suas rateadas naturais.
Paulinho Gonçalves designou Ademar para dirigir o time do Goiânia em um quadrangular promovido pela Federação do Mato Grosso, onde enfrentaríamos as equipes do Mixto, Operário e Dom Bosco.
Nos vestiários do Estádio José Fragelli - ou Verdão, no dia da estréia, Ademar e o preparador físico Renatão reuniram os jogadores para a preleção.
Ademar sacou um papelzinho do bolso e bem que tentou:
“O time inicia com Va-valdir, Ne...neto...Lu-lu-la...Proprofessor Re...re-natão ajuuda aaquí!”
O torneio permitia apenas um intervalo de 48 horas entre um jogo e outro. Por isso, o professor Renatão, exigente na preparação e preocupado com o desempenho do grupo, mantinha severa vigilância sobre a rapaziada que, apesar disso, dava um jeitinho de driblá-lo no trajeto (feito a pé) entre o hotel e o restaurante.
Discretas entradas nos bares aliviavam a barra dos mais ávidos e sedentos, justificadas pelo calor intenso na cidade.
Nos jantares, pedíamos ao professor que liberasse uma cervejinha pra cada um; ele recusava. Após a última partida, quando conquistamos o torneio, Renatão deu ordens ao garçom para servir cerveja à vontade.
Foi aberta uma cerveja para cada jogador. E para surpresa da comissão técnica, todos recusaram pedindo um refrigerante.
De sacanagem, havíamos combinado deixar abrir a cerveja para então dizer:
“Obrigado, mas eu não bebo”.
Renatão ficou com um desejo (natural!) de esgoelar alguém.
Um treinador gago, um preparador físico ingênuo, e jogadores moleques foram motivos suficientes para o inexperiente chefe de delegação, Ari Santana, viajar 20 horas de vôo rasteiro, abraçado ao troféu conquistado, no regresso a Goiânia.
Afinal, há muito tempo o Goiânia não ganhava nada, e vencer um torneio preparado para que o título ficasse entre os anfitriões, tinha um sabor muito especial.
A decepção foi tão grande entre os organizadores e dirigentes cuiabanos, que não ficou ninguém no estádio pra entregar a enorme taça que conquistamos, embaixo de muita chuva.
Fairplay de canela.
(Goiânia, 1979)

Na foto: Amado, Odon, Zé Krol, Nascimento, Palmi, Lourenço e Valdir.

10 comentários:

Adalberto Day disse...

Valdir
treinador gago deve ser um sarro. Você comenta de cantor gago, me lembrei do Nelson Gonçalves, ele para falar ra muito ruim...gagueijava mesmo, eu vi e ouvi ele cantar. Quando cantava era um espetaculo. Mas voltando ao treinador, me lembrei da piada do gago narrando futebol....a bola está com ooo co coco deixa pra lá ja ...ja...ja...não está mais com ele...e vai pra o o o atque....com .golllllll...um sarro. tive alguns amigos gagos, todos maravilhosos, um deles nós chamava de ligeirinho.
Valeu muito bacana parabéns.
Adalberto Day cientista social e pesquisaro da História.

Valdir Appel disse...

Obrigado pelo comentario, Adalberto.

Anônimo disse...

Valdir, depois de tanto tempo o Alecrim de natal o Piriquito volta a ser bem lembrado, irá jogar a serie D, que bom, se não me falha a memoria o Alecrim foi um dos clubes que tu atuou não foi? um abraço e viva o Piriquito do Rn!Genildo Oliveira , Mossoró Rn

Valdir Appel disse...

Genildo,
Que boa notícia. Gosto muito do Alecrim e da família Santana que é parte da história do clube. Tenho boas recordações da terrinha.

ciccero@ibest.com.br disse...

Olá sr. Valdir
REcentemente vi a foto publicada do Sport Club Brusquense dos anos 20.

O sr. dispoe de mais fotos deste periodo?

Sou pesquisador e tenho muito interesse na historia do Brusquense e Paysandu.

Grato
Cícero
ciccero@ibest.com.br

Valdir Appel disse...

Cicero,
Envie e-mail para appelval@terra.com.br
Vamos conversar a respeito.
Abraço.

Osvaldo disse...

Caro amigo Valdir;

Depois de uma viagem de trabalho aqui estou de volta para saborear estas excelentes histórias do mundo desconhecido (para nós) do interior dos times de futebol.

Só me faz confusão, como um treinador gago pode dar intruções para o campo durante um jogo porque quando disser a última frase,... jó o jogo acabou!.

Um grande abraço, Valdir e continue a nos deliciar com essas belas e hilariantes histórias.
Osvaldo

Valdir Appel disse...

Obrigado Osvaldo.O jeito é contar as historias do passado, não temos muitos personagens folclóricos nos dias de hoje.

jailson oliveira guimaraes disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
jailson oliveira guimaraes disse...

Sou neto de Jailson e tenho um livro seu lie e gostei e vou comprar mas um , abraços !!!

jailsonoliguimaraes@yahoo.com.br