terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

Tom e Jerry, livros, Lacoste, e bolachas de vinil
Por Valdir Appel
Era muito raro ter um domingo de folga no Rio para ir ao cine Metro Tijuca, que exibia sempre no primeiro domingo de cada mês o Festival Tom e Jerry. Eu me misturava entre as crianças da fila do ingresso, fazendo pose de “Tio” e depois quase morria de tanto rir com as peripécias da dupla.
As livrarias dos aeroportos me supriam dos livros recém lançados e os sebos das cidades onde íamos jogar, de preciosas raridades. Sempre conseguia uma liberação do treinador do meu time para ir encher os dedos de traças e cobrir os cabelos de pó desprendidos dos livros no alto de prateleiras.
Finalmente os discos. Eu era tão obcecado pelos vinis que comprava por atacado. Meus bichos no clube eram gastos em roupa – calça Lee e camiseta Lacoste, sempre – em livros e também, principalmente, em discos. Fazia até crediário no Rei da Voz da Tijuca para comprar tudo o que era lançado. Começava pelo compacto, que saía antes – hoje seria chamado de versão demo - e depois adquiria o LP.
Meus passeios à zona sul se justificavam por raros dias de pegar uma praia e mais em busca de alguma loja especializada em música e vinis. Sonhava sempre com o encontro daquela loja, supra-sumo das lojas, a loja definitiva, o paraíso dos LPs.
Numa segunda-feira qualquer, desci do ônibus em Copacabana. Fiquei circulando e procurando lojas na Rua Barata Ribeiro. Ao chegar a uma de suas esquinas, estanquei e fiquei literalmente paralisado. Do outro lado da rua se materializou o meu sonho. A loja, enorme, ocupava meia quadra. Um gigantesco cartaz anunciava DISCO. Suei frio, o coração bateu mais depressa. Projetei-me para o outro lado da rua, driblando os carros. Já via Presley, Beatles, Orbison, Sinatra em pilhas.
O sonho se dissipou em segundos, dando lugar a decepção.
Aquela loja da Rede de Supermercados Disco, vendia de tudo, menos Lps.
Era muito raro ter um domingo de folga no Rio para ir ao cine Metro Tijuca, que exibia sempre no primeiro domingo de cada mês o Festival Tom e Jerry. Eu me misturava entre as crianças da fila do ingresso, fazendo pose de “Tio” e depois quase morria de tanto rir com as peripécias da dupla.
Na volta pra casa, ocultei o fato dos amigos. Afinal tudo o que eu não desejava ouvir de um conterrâneo era:
“Catarina babaca"

6 comentários:

Celso disse...

Meu caro Valdir,

Esta semana você fala de alguns filmes da década de sessenta e setenta e, apenas de passagem, cita o melhor de todos, aquele da melhor trilha sonora, também do inesquecível Enio Morriconi, que não me canso de assistir, sempre que consta da programação da TV e, o Telecine da Globosat volta e meia reapresenta dentre outros este clássico, para minha alegria e, para a tristeza dos meus filhos que não aguentam mais aquela trilha sonora.

É claro que falo do "Era uma vez no Oeste". Depois desse teu texto, que meus filhos não me ouçam, mas, acho que vou novamente a locadora...

Celso Pazinato

Iata Abderson disse...

Amigo Valdir,

quer dizer que você entrou no Disco para comprar seus LPs, que beleza, hem ?
vou inserir essa no meu livro, é muito boa, ahahahahahahahah
falando sério, que coisa, rapaz, daquele time de 74 já morreram 3, viu ?. Todos com aquela doença maldita. Que Deus os Tenha.

Grande abraço.
Iata

Adalberto Day disse...

Valeu VAldir
Lembrar de filmes nossa...que lindo cara
Era uma vez no Oeste e Ben Hur...sem comentários.
E o timaço de 74 oras pois
Estamos no G 4 - reabaixamento
Um abraço Adalberto De Blumenau

Ricardo disse...

Olá Valdir! Parabéns pelo Blog!
Sou vascaíno, apaixonado pelo meu clube e coleciono imagens da história do Vasco. Gostaria de saber se existe alguma possibilidade de conseguir com você (por e-mail) algumas dessas fotos históricas que tem no seu Blog?! Abraço, Ricardo
(ricardorama13@hotmail.com)

Valdir disse...

Ricardo,
Escolha a foto que eu envio. Esta é uma promoção do blog para vascainos.
Abração,
Valdir

dilton disse...

Temos algo em comum, gostar do Tom e Jerry. Quero informar ao amigo que Rua Barata Ribeiro e não Avenida. Isso prova que visitei seu blog, o que sempre faço.
Dilton