quarta-feira, 3 de julho de 2013

Histórias de goleiros 1

Batista
O América de Natal tinha os goleiros Cícero Capacete, Batista, Petrarca e eu, em 1977. Cícero era um goleiro dedicado que disputava a preferência com Batista, já que Petrarca era juvenil e eu não gozava de grande prestígio com o treinador Laerte Dória.
Batista era um jogador de uma saúde de ferro, homem vigoroso e rude e que tinha uma família com mais de 10 filhos. Sua esposa gerava um filho por ano.
Este homem vivia geralmente com o semblante fechado, angustiado com os problemas financeiros gerados pelo clube, que pagava salários em forma de vales semanais. Gostava de tomar umas e outras e, de vez em quando sumia, para desespero da família e dos dirigentes do clube, que saiam pelos bares e bordéis de Natal a procura do goleiro.
O presidente Jussier Santos, já cansado de tanto encobrir as escapadas do Batista, resolveu aplicar uma multa de 20% no salário do goleiro.
Sensibilizado com a situação de Batista, fui com Joel visitar o presidente do clube, para pedir novamente tolerância com o goleiro, argumentando que quem sofria era a família dele.
Jussier ouviu atentamente nossas explicações, e decretou:
“Daqui pra frente, vocês dois serão os responsáveis pelos atos do Batista! A próxima que ele aprontar, eu o deporto para Sergipe, em cima de um pau-de-arara, não importa se ele tem 10 ou 13 filhos!”.
Não demorou um mês, Batista sumiu de novo.
Não se sabe exatamente quanto tempo demorou a viagem do goleiro até Aracajú. Certo mesmo, é que os seus voluntários representantes, depois de ouvirem a bronca de Jussier, nunca mais adotaram ninguém!

2 comentários:

Adalberto Day disse...

Hahahaahh
Muito boa essa história. Mais uma vez belos contos e de goleiros.
Abraços
Adalberto Day cientista social e pesquisador em Blumenau

Osvaldo disse...

Oi, Valdir;

Desculpa a ausência, mas voltei de férias e aqui estou de novo a me "regalar" com estas belas histórias que só o Valdir sabe contar.

Só uma pergunta;... O Batista apareceu ou o "pau d'arara" atravessou o Oceâno?!...
E quantos filhos ainda teve a mulher do mesmo?... Dá pra ver que goleiro é assisntente de jogo, nunca cansa, né?.rsrsrsrs

Um abraço, amigo Valdir,
Osvaldo