quarta-feira, 31 de agosto de 2016

Manguita “O Fenômeno”

A aposta
O campeonato paranaense de 1978 poderia ser decidido nos pênaltis e Manga apostou com Evangelino da Costa Neves, presidente do Coritiba, seu clube, 100 dólares para cada pênalti que ele defendesse contra o arqui-rival Atlético.
E, realmente, a decisão foi para as cobranças de penalidades. Enquanto os técnicos decidiam quem iria bater os pênaltis, Manga sentou-se ao lado da baliza e pediu ao massagista aplicação de gelo num dos joelhos, que aparentemente estava machucado. Após enfaixá-lo, foi para o gol. Talvez, seduzidos pelo joelho envolto num pano, os jogadores do Furacão insistiram em cobrar daquele lado e erraram três cobranças. Duas Manga defendeu e uma foi para fora.
No dia seguinte, o presidente entregou 200 dólares ao goleiro que reclamou:
“São trezentos, presidente!”
“Como trezentos, se você defendeu dois?”
“Pressidente mira aca! Manguita não defendio porque la pelota se fuera para fora. São trezentas platitas.”





















3 comentários:

Anônimo disse...

Bom dia Valdir,
Estou lhe escrevendo para parabenizá-lo pelos excelentes textos e histórias que vc tem nos proporcionado. Além de grande atleta outrora, magnífico cronista no presente.
Congratulações.
Sérgio de Pinho

Roberto Vieira disse...

Manguinha, o segundo maior goleiro brasileiro a atuar em Pernambuco... depois do Mestre Valdir!

Adalberto Day disse...

Boa matéria como sempre Valdir.
Manguita teve uma bela participação no cenário nacional.
Parabéns
Adalberto Day cientista social e pesquisador da história em Blumenau